A história começou na Cidade do México-1968, quando Servílio de Oliveira ficou com o bronze. Esquiva Falcão, prata, seu irmão Yamaguchi e Adriana Araújo, bronze, foram os outros brasileiros medalhistas no boxe, nos Jogos de Londres-2012.

Aí veio Robson. Perdeu na primeira luta em Pequim-2008. Quatro anos depois, mais experiente, reviveu o revés da queda na estreia. Chegou ao Rio-2016 como esperança de pódio. Prometeu para a filha, que completa dois anos na próxima sexta-feira, que levaria uma medalha para ela. Cumpriu. Foi em solo brasileiro que o baiano de Salvador conquistou o ouro, inédito, histórico, e agora pode bater no peito: “Sou campeão olímpico”.